Criador de Super Mario adverte indústria do jogo: não seja ganancioso demais

Criador de Super Mario adverte indústria do jogo: não seja ganancioso demais

24 de agosto de 2018 Off Por Erika Moraes

A crítica é feita em cima do modelo free-to-play, que utiliza táticas como loot box e micro transações

Shigeru Miyamoto, o lendário criador de Super Mario e Donkey Kong, tem um conselho para a indústria de hoje: parem de explorar os jogadores.

Miyamoto disse que a Nintendo está explorando maneiras diferentes de cobrar seus jogos. Assim, evitando o modelo free-to-play, que se tornou um gerador de dinheiro no setor de jogos. Em vez disso, ele convocou seus pares a entregar títulos a preços fixos sem cobrar demais dos jogadores. Essa estratégia criará negócios mais sustentáveis ​​no longo prazo.

“Temos sorte de ter um mercado tão gigantesco. Então nosso raciocínio é que, se conseguirmos entregar jogos a preços razoáveis ​​para o maior número possível de pessoas, teremos grandes lucros”, disse Miyamoto na Computer Entertainment Developers Conference (CEDEC). na quarta-feira em Yokohama, no Japão.

A crítica de Miyamoto ocorre quando o modelo free-to-play gera lucros recordes. Em vez de cobrar uma taxa única, as produtoras estão distribuindo cada vez mais os jogos ou vendendo a baixos preços. Porém, elas incentivam os jogadores a comprar produtos no jogo, como roupas, ou a apostar dinheiro em itens raros. O modelo de receita é especialmente comum entre os jogos para dispositivos móveis e PC.

Os proponentes do modelo free-to-play dizem que ele aumenta a longevidade dos títulos e cria negócios mais previsíveis. O resultado seria a atração de investidores e o aumento de emprego. Mas os opositores dizem que isso prejudica a criatividade na criação de jogos.

“Não posso dizer que nosso modelo de custo fixo tenha realmente sido um sucesso”, disse Miyamoto. “Mas vamos continuar a utilizar enquanto for viável. Dessa forma, todos podem desenvolver jogos em um ambiente confortável. Ao nos concentrarmos em trazer jogos para o maior número possível de pessoas, podemos continuar impulsionando nosso negócio de jogos para dispositivos móveis.”.

Criador cita a indústria da música como lição que deve ser aprendida 

Os comentários chegam quase dois anos depois do lançamento de Super Mario Run. O título cobrava uma taxa fixa, que recebeu critica pelo seu alto valor comparado com o conteúdo fornecido. A empresa então mudou para free-to-play nos jogos seguintes. Um deles, Animal Crossing: Pocket Camp, recebeu críticas por ser muito focado em lucros.

Miyamoto também disse que os desenvolvedores de jogos devem seguir as lições da indústria da música. A indústria ainda está lutando para se recuperar depois que os consumidores aprenderam a consumir música de graça. Ele disse que os serviços no estilo de assinatura devem ter um papel maior nos jogos. Porém, a chave é desenvolver uma cultura de pagamento por um bom software.

“É necessário que os desenvolvedores aprendam a se dar bem com os serviços de assinatura”, disse Miyamoto. “Ao procurar um parceiro para isso, é importante encontrar alguém que entenda o valor do seu software. Então os clientes sentirão o valor em seus aplicativos e software e desenvolverão o hábito de pagar por eles.” A Nintendo lançará em breve mais dois jogos para celular. Dragalia Lost está programado para estrear em breve. O jogo está sendo desenvolvido com a CyberAgent Inc., criticada por usar táticas agressivas na monetização de jogos. O segundo título, Mario Kart Tour, será lançado em março.